Sexta-feira, Março 1, 2024
InícioFestivais20º IndieLisboa Foco Silvestre: da fábrica Lumière à fábrica Google, não é...

20º IndieLisboa Foco Silvestre: da fábrica Lumière à fábrica Google, não é o mesmo gesto

Não é um mero detalhe historiográfico notar que as primeiras imagens devolvidas pelo olhar do cinema tenham sido um gesto o gesto de descompressão laboral dado pela saída dos trabalhadores da fábrica Lumière. Estávamos em 1895 e o filme chamava-se A saída dos operários da Fábrica Lumière. Assim nasciam as imagens em movimento. Um século mais tarde, Harun Farocki usaria o filme para fundir com diversos outros ao longo dos tempos, encontrando as suas tremendas semelhanças. E que haveriam de originar diferentes projectos, em tempos e espaços diferentes, embora contribuindo para a reflexão do filme Lumière.

Workers Leaving the Factory – Farocki

Farocki condensa diversos tempos no filme-ensaio com o mesmo nome Workers leaving the factory (um título aliás partilhado nas outras curtas neste programa do Foco Silvestre). Como ele refere, “em nenhuma outra ocasião se pode abarcar melhor o número de operários como à saída da fábrica”.

A frase é proferida pelo ‘cineasta arqueólogo’, que usa o cinema como política arqueológica, oferece-nos um instantâneo da história do audiovisual da civilização, ao contrapor as primeiras imagens do cinema com as dos trabalhadores à saída da fábrica Ford, em Detroit, ou de volta a Lyon, já nos anos 50. Embora essa “pressa dos trabalhadores na saída, somo se algo os puxasse”, é tão sintomática quando recorrente. Pelo meio, vemos a massa do trabalho feminino, no filme da austríaca Katharina Gruzei (Workers Leaving the Factory (again)) ou num pequeno grupo quase mecanizado no segmento do chileno José Luis Torres Leíva (Obreras Saliendo de la Fabrica).

Workers Leaving the Factory – Dubai

Ou então o contraste dos trabalhadores emigrantes no Dubal, no filme minimalista de Ben Russell (Workers Leaving the Factory (Dubai)), dominado pela ironia da estratificada social bem patente do diálogo que acompanha Workers Leaving the Googleplex. O programa termina com um regresso (contrafeito) ao trabalho na produção francesa La Reprise du Travail aux Usines Wonder.

Workers Leaving the Factory – Google
RELATED ARTICLES

Mais populares