Domingo, Abril 14, 2024
InícioFestivaisCannesChuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos: Salaviza e Messora encontraram o...

Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos: Salaviza e Messora encontraram o seu Nanook

João Salaviza confirma na nossa entrevista, durante o festival de Cannes, em maio passado, aquilo que já havíamos vislumbrado. Ou seja, em vez de fazer um filme etnográfico sobre a tribo krahô, no nordeste do estado de Tocantins, em plena Kraholândia, ele e a mulher Ranée Nader Messora devolveram-lhes vida ao captar de forma instintiva o frutuoso registo de gestação antropológica desta comunidade ao longo de um longo processo de nove meses de rodagem na Aldeia Branca com um grupo de não atores. Aliás, um processo em que prolonga o trabalho que a cineasta vinha desenvolvendo no terreno há já algum tempo, inclusive na introdução do cinema na tribo como forma de captar os seus usos e costumes.

É este o resultado de Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, muito do que um filme etnográfico sobre os hábitos e costumes de um povo cada vez mais em risco de extinção. Foi esse filme que vimos o ano passado em Cannes, na véspera de vencer o Prémio do júri da secção Um Certain Regard.

Renée Nader Messora, Raene Kôtô Krahô, João Salaviza e Henrique Ihjãc Krahô. 

Horas antes, a sala onde decorrera a sessão transformara-se num pequeno foco de ativismo político, onde a comitiva e vários dos intervenientes no filme, irromperam em slogans políticos contra a política limitadora do ex-presidente Temer – ainda em exercício na altura – e que deverá contar com uma intervenção mais feroz por parte da administração Bolsonaro.

Aliás, foi a mesma preocupação que motivou a mostra de cinema Ameríndio, a decorrer no Museu Calouste Gulbenkian até ao próximo dia 17, bem como diversas exposições em Guimarães.

Numa sequência inicial que parece remeter-nos para um território próximo de Apichatpong Weerasethakul, seguimos a premonição deste jovem ao escutar o pedido do pai defunto para que interrompa o seu luto. Ao longo desse processo decide abandonar a aldeia e seguir para a cidade insistindo que está doente. É aí, entre esse mundo tribal e a civilização ocidental, que reflete sobre o peso da linhagem pajé, no fundo uma missão próxima de um feiticeiro para a qual não se sente preparado, preferindo estar mais perto do seu filho Tepto.

A dupla Salaviza e Nasser parece executar assim um percurso próximo de Jean Rouch ou de Robert Flaherty, como Salaviza confirma na nossa conversa, ao encenar as lendas da comunidade local, consideradas verdadeiras found stories, no fundo histórias baseadas na realidade. E tal como o cineasta americano autor do famoso Nanook, o Esquimó, de 1922, sobre a comunidade esquimó na baía Hudson, no sudoeste do Canadá, realiza um trabalho de expedição em que filma a realidade ancestral deste povo, mesmo quando a atualiza com o contacto com a atualidade. E ao colocá-los no mapa do século XXI é que esta dupla dá vida a esta aldeia dos mortos. Pois como diria André Malraux na arte todo o realismo é uma rectificação.

RELATED ARTICLES

Mais populares